Monthly Archives: Novembro 2014

DECO CHUMBA 18 BRINQUEDOS PARA CRIANÇAS POR FALTA DE SEGURANÇA

A Associação de Defesa do Consumidor DECO “chumbou” a venda de 18 brinquedos, entre os 40 testados, apontando problemas como peças pequenas que se soltam com facilidade, pilhas acessíveis e fraca resistência ao impacto, foi divulgado esta terça-feira.

De acordo com a DECO, dos 18 brinquedos que chumbaram no teste, oito não cumprem a legislação nacional, facto que levou a associação a pedir à Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) a retirada dos mesmos das lojas onde são comercializados.

Os restantes dez apresentam falhas que não estão contempladas na legislação nacional, mas que a DECO considera perigosas, recomendando aos consumidores que evitem a sua compra e que a Comissão de Segurança de Serviços e Bens de Consumo (entidade oficial com competência nesta matéria), avalie os produtos em questão e se pronuncie sobre a sua perigosidade.

Entre os 18 brinquedos, há dez que a DECO revela serem de evitar oferecer às crianças por perigo de peças pequenas: são eles o veículo “Bandai Peppa Pig”, um estojo de cabeleireiro “Centroxogo Girl Beautiful”, um comboio de dinossauros “Dinosaur”, uma caixa de letras magnéticas “First Classroom Magnetic letters”, o jogo “Koala Dream Funny Faces” e o conjunto de bonecas “MGA Mini Lalaloopsy”.

Já os brinquedos Porquinho e Varinha, da “Oudamundo”, revelam ainda ter peças aguçadas, assim como a “Pampy Plasticina”, enquanto os carrinhos “Wonder City Racer” apresentam peças pequenas e fraca resistência ao impacto.

Para a DECO, os resultados deste teste não constituem “uma novidade”, adiantando a associação de defesa do consumidor que há 11 anos que avalia brinquedos e “sempre encontrou produtos perigosos”.

A DECO relembra ainda um outro problema que é a marcação dos brinquedos com a marca CE, explicando tratar-se de um um símbolo colocado nos brinquedos pelos fabricantes, mas que não é uma garantia de segurança para a criança: dos 18 produtos chumbados, 15 tinham esta marcação.

Desta forma, a DECO frisa que cabe aos consumidores “ter cuidado na escolha”, uma vez que a lei e a fiscalização “não conseguem garantir que todos os produtos à venda são seguros”.

A associação alerta que cabe ao consumidor optar por produtos adequados à idade e ao desenvolvimento da criança, alertando que, antes de comprar, se deve ler os avisos e instruções e adquirir o produto tendo em conta a idade da criança.

Segundo a DECO, há fabricantes que frequentemente vendem “produtos com falhas”, não seguem “padrões de fabrico exigentes” e não exercem um “controlo responsável”. Como tal, sublinha a associação que estes “maus representantes da indústria dos brinquedos devem ser sancionados pelas autoridades” em caso de ”um comportamento negativo reincidente”.

Fonte: http://zap.aeiou.pt/deco-chumba-18-brinquedos-para-criancas-por-falta-de-seguranca-49799

Fórum NOVEMBRO

INSERIR COMENTÁRIO

Uma questão que se coloca aos pais e educadores é como ensinar aos seus filhos ou alunos a correcta utilização do telemóvel. Existe uma grande apetência nas crianças pela utilização dos telemóveis. No entanto é fundamental, definir algumas regras previamente.

Este mês proponho-vos um debate sobre a utilização de telemóvel pelas crianças.

Concordam que as crianças devam possuir um telemóvel? Será a sua utilização prejudicial?

Partilho aqui um artigo sobre o tema:

Telemóveis para crianças

O telemóvel é um dos pedidos mais frequentes dos mais pequenos, mas há sempre que pensar se devemos ceder ou não e quais as melhores opções do mercado.

Criado para ser uma ferramenta para os homens e mulheres de negócios conduzirem as suas atividades, o telemóvel foi rapidamente adotado pelos adolescentes, e de maneira tão intensa que muitos não conseguem viver sem ele, quase se tornando uma parte do seu próprio corpo. Mais recentemente este fenómeno também está a atingir as crianças, que desejam os telemóveis desde muito pequenas. A forma como os pequeninos utilizam o aparelho varia: uma espécie de brinquedo para alguns, um rádio ou mesmo câmara para outros.

No grupo dos 7 aos 10 anos as crianças estão muito interessadas no telemóvel como um aparelho, ou seja utilizam-no mais como uma máquina de jogos do que como uma ferramenta de comunicação. No entanto, muitas vezes acabam por se esquecer de levar o telefone consigo, ou então esquecem-se muito facilmente dele em locais públicos.

Já para as crianças dos 10 aos 12 anos, o telemóvel ocupa uma posição mais central e conduz ao início da febre do telemóvel, idade em que a importância dos passatempos e dos amigos também aumenta, e a dos jogos e brinquedos diminuem. Deste modo, o telemóvel torna-se um aparelho importante como uma ferramenta de comunicação entre os amigos.

Os adolescentes são outra faixa etária… Hoje em dia é complicado um adolescente não ter telemóvel, e os pais têm de perceber isso. Há uma série de ‘brinquedos’ dentro de um telemóvel que os podem até ajudar, por exemplo, a ultrapassar a timidez e a viver melhor algumas etapas mais complicadas da adolescência. O início da vida afetiva, por exemplo, é muito mais fácil desde que existem SMS.

Na hora da decisão temos de rever os prós e contras.

Prós:

Favorece as relações sociais;

Oferece uma garantia de segurança (em caso de necessidade, onde quer que se encontrem, podem sempre pedir ajuda).

Contras:

O telemóvel tem um custo, portanto um comportamento responsável pressupõe o conhecimento das tarifas;

Em termos de saúde não é aconselhável a sua utilização, porque pode afetar o desenvolvimento cerebral;

É utilizado nas aulas, causando faltas de concentração, gerando conflitos e indisciplina; Torna-se viciante. Por ser um objeto multifuncional, o telemóvel acaba por ter um uso excessivo e desequilibrado, criando na maioria das pessoas uma dependência quase doentia e afastando-as do contacto físico;

A facilidade com que se pode registar imagens e divulgá-las em tempo real para todo o mundo tem trazido inúmeros problemas de ordem social, tais como a violência e perca de privacidade. A utilização matura do telemóvel prevê que seja utilizado apenas em caso de necessidade, que se tire o som ou desligue conforme a necessidade, por exemplo no cinema ou na escola. Nas aulas, deve estar sempre desligado, exatamente como fazem os adultos durante reuniões de trabalho.

Dicas da PSP para utilizar o telemóvel em segurança:

Optar sempre por um telemóvel simples, discreto e barato para levar para a escola ou quando vai passear com os amigos.

Anotar sempre o IMEI do telemóvel. Para descobrir o IMEI do telemóvel basta teclar o *#06#. Em caso de roubo é mais fácil identificar o telemóvel e caso seja encontrado é mais simples para o descobrir em www.perdidoseachados.mai.gov.pt/.

Avisar de imediato a PSP se o telemóvel for roubado. O número de emergência europeu 112 pode ser digitado de forma gratuita em qualquer telefone público. Comunicar via SMS, isso torna mais simples a comunicação e evita que a criança se distraia com telefonemas.

Colocar o telemóvel em modo de vibração e assim quando tocar, pode sempre ver se tem condições de segurança para o atender.

Artigo original publicado em: http://lifestyle.sapo.pt/familia/crianca/artigos/telemoveis-para-crianças

INSERIR COMENTÁRIO