Fórum do mês de junho – Obesidade Infantil

obebeee

A obesidade infantil é considerada pelo Organização Mundial de Saúde como um dos desafios mais graves de saúde pública do século XXI. O problema é mundial e  tem aumentado a um ritmo alarmante. Globalmente, em 2013, o número estimado de crianças com excesso de peso com menos de cinco anos de idade era mais de 42 milhões. Cerca de 31 milhões delas vivem em países em desenvolvimento.

Excesso de peso e obesidade são definidos como ” acumulação anormal ou excessiva de gordura que apresenta um risco para a saúde ” .

É difícil desenvolver um índice simples para  medir o excesso de peso e obesidade nas crianças e adolescentes porque os seus corpos passam por uma série de alterações fisiológicas à medida que crescem . Dependendo da idade, existem métodos diferentes para medir o peso de um corpo saudável.

A obesidade infantil está associada a uma maior probabilidade de morte prematura e incapacidade na vida adulta. As crianças com excesso de peso e obesas são mais propensas a ficar obesos na idade adulta e a desenvolver doenças não transmissíveis (DNT) como diabetes e doenças cardiovasculares numa idade mais jovem. Para a maioria das DNT resultantes da obesidade, os riscos dependem parcialmente da idade de início e da duração da obesidade.

As consequências para a saúde mais significativas relacionadas com excesso de peso e obesidade infantil, que muitas vezes não se manifestam até à idade adulta, incluem:

  • as doenças cardiovasculares (principalmente a doença cardíaca e derrame);
  • diabetes;
  • distúrbios músculo-esqueléticos;
  • certos tipos de cancro (do endométrio, mama e cólon).

Pelo menos 2,6 milhões de pessoas morrem por ano devido ao excesso de peso ou obesidade.

Razões para as crianças e adolescentes se tornarem obesos

A principal causa de excesso de peso e obesidade infantil é um desequilíbrio energético entre as calorias consumidas e as calorias gastas. O aumento global do excesso de peso e obesidade infantil são atribuíveis a uma série de fatores, incluindo:

  • A mudança global na dieta para o aumento da ingestão de alimentos altamente energéticos que são ricos em gorduras e açúcares, mas pobre em vitaminas, minerais e outros micronutrientes saudáveis;
  • A tendência para a diminuição dos níveis de atividade física devido à natureza cada vez mais sedentária de muitas formas de brincar.

A Organização Mundial de Saúde reconhece que o aumento da prevalência da obesidade infantil é resultado de mudanças na sociedade. A obesidade infantil está associada principalmente com uma alimentação pouco saudável e baixos níveis de atividade física.

Mas o problema está ligado não só ao comportamento das crianças, mas está também, cada vez mais, ligado ao desenvolvimento de políticas sociais e económicas nas áreas de agricultura, transportes, planeamento urbano, meio ambiente , processamento de alimentos, distribuição e comercialização, bem como a educação.

O problema é social e, portanto, exige uma abordagem  multidisciplinar.

Ao contrário da maioria dos adultos, as crianças e adolescentes não podem escolher o ambiente em que vivem ou a comida que comem. Eles também têm uma capacidade limitada de compreender as consequências a longo prazo do seu comportamento. Eles, portanto, requerem uma atenção especial no que diz respeito ao combate da epidemia da obesidade.

O papel dos pais

A promoção de dietas saudáveis ​​e atividade física regular adequada são fatores importantes na luta contra a epidemia da obesidade infantil. Por isso cabe aos pais:

  • Ter alimentos saudáveis ​​e  bebidas saudáveis disponíveis em casa
  • apoiar e incentivar a atividade física
  • limitar a exposição a práticas de marketing (por exemplo, limite de visualização de televisão);
  • ensinar as crianças a resistir à tentação e estratégias de marketing;
  • fornecer informações e competências para fazer escolhas alimentares saudáveis.
  • reduzir o tempo de não-ativo (por exemplo, ver televisão, computador);

Simultaneamente os pais são aconselhados a viver e promover um estilo de vida saudável, porque o comportamento das crianças é muitas vezes moldada pela observação e adaptação ao estilo de vida dos pais.

O papel da escola

A promoção de dietas saudáveis ​​e actividade física na escola é essencial para combater a epidemia de obesidade infantil. As crianças e adolescentes passam um tempo significativo das suas vidas jovens na escola, o ambiente escolar é o cenário ideal para adquirir conhecimentos e competências sobre escolhas saudáveis ​​e para aumentar os níveis de atividade física.

Resumindo, o excesso de peso e a obesidade, bem como as doenças não transmissíveis relacionadas com estes fatores, são em grande parte evitáveis. Assim, a prevenção é a opção mais viável para conter a epidemia de obesidade infantil.

O objetivo na luta contra a epidemia da obesidade infantil é alcançar um equilíbrio de energia que pode ser mantido ao longo do tempo de vida do indivíduo.

Reflita sobre o assunto e se desejar recorra a exemplos de situações concretas para ilustrar a sua opinião.

Esta atividade de Fórum permite debater e abordar novas ideias, visa o desenvolvimento e a discussão de temas atuais, relacionados com os temas propostos nas Unidades, no âmbito da formação.

Participe e desenvolva, no seu ponto de vista, o tema exposto a debate. Se desejar, apresente exemplos representativos do que pretende ilustrar. Pode ainda comentar as participações dos colegas.

O post de cada formando não deve exceder a pág. A4 e deve ser submetido até ao final da semana. A sua participação conta  20% para a avaliação da Unidade.

Para participar basta clicar em INSERIR COMENTÁRIO, não esquecendo de indicar o seu nome e curso para que o seu contributo seja avaliado. Os vossos comentários serão primeiro sujeitos à aprovação do professor pelo que podem não ficar imediatamente disponíveis.

Aguardo as vossas participações com expectativa, o vosso contributo é muito importante para o sucesso deste fórum!

Anúncios

28 thoughts on “Fórum do mês de junho – Obesidade Infantil

  1. A obesidade Infantil é o que mais tem em todo o mundo, os pais devem ter mais cuidado com alimentação dos filhos e com os tempos livres, as crianças não só tem de ter uma alimentação saudável como também tem que brincar com outras crianças tem de saltar, correr, etc, e não ficar em casa a ver Televisão, jogar no computador ou telemóveis.

    Lúcia Soares
    Educação Infantil, EL7380S

    1. OBESIDADE
      1 Em cada 3 crianças em portugal têm excesso de peso .
      Obesidade infantil é uma condição em que o excesso de gordura corporal afeta negativamente a saúde ou bem-estar de uma criança. A obesidade infantil é caracterizada pelo excesso de peso entre bebês e crianças de 0 até aos12 anos de idade. A criança é identificada como obesa quando o seu peso corporal ultrapassa os 15% o peso médio correspondente a sua idade.A obesidade infantil é, segundo a Organização Mundial de Saúde, um dos problemas de saúde pública mais graves. A obesidade está relacionada com uma série de fatores como hábitos alimentares e atividade física, além de fatores biológicos, comportamentais e psicológicos. Não se trata de um problema meramente estético. Além de frequentemente sofrerem “bullying” por parte dos colegas.

  2. É verdade que a obesidade infantil tornou-se numa nova epidemia do século XXI, a prevalência da obesidade está a aumentar em todo o Mundo a um ritmo bastante alarmante, justificando-se até a uma designação de epidemia global.

    Preocupados com estes alertas, os governos de toda a Europa consideraram já a obesidade infantil como um dos desafios da saúde pública mais importante, com especial fino nas crianças, sendo que Portugal não é exceção.

    Existem dois grandes fatores muito importantes que seguramente estão na base deste tema, concreta em Portugal.

    Sendo que estes mesmos fatores se baseiam concretamente numa mudança de hábitos alimentares como a perda dos valores tradicionais da alimentação mediterrânea por parte dos pais, o que se reflete diretamente nos hábitos alimentares das crianças. Ou seja, menos consumo de frutas, sopas, hortaliças e legumes, optando por parte dos pais, claro, produtos de baixo valor nutricional mas com elevado valor calórico provocando assim o aumento de peso.

    Por outro lado os portugueses são de todos os povos da União Europeia aqueles que apresentam maior nível de inatividade física entre os adultos, pois na verdade sabe-se que os pais pouco ativos têm maiores probabilidades que os seus filhos sigam o seu exemplo e que tenham um baixo nível de atividade física.

    O combate, à obesidade infantil, baseia-se principalmente pelo papel dos pais, ou seja, os pais em tudo na vida das crianças servem como exemplo para as mesmas. Por isso os pais devem seguir um esquema bastante exemplar tal como:

    1° Abastecedor, isto é, devem ter em casa alimentos saudáveis que todos os elementos do agregado familiar possam comer;

    2° Organizador, isto é, quanto mais preocupados os pais estiverem com o peso dos seus filhos, mais controladores se tornam, não esquecendo que é muito importante dar-lhes oportunidade para o desenvolvimento do auto- controle.

    3° Modelo, este método consiste mais em falar muito e fazer pouco, porque o comportamento dos próprios pais deve demonstrar que uma gestão saudável do peso é o reflexo de uma alimentação equilibrada, de atividade física, o que reflete uma auto-imagem e auto-estima positiva.

    4° Defensor, isto é, geralmente as crianças não têm voz ativa para que possam defender os seus direitos, pelo que devem ser os pais a desenvolverem esse mesmo papel, nomeadamente, junto das escolas;

    5° Protetor, pois quando existe excesso de peso o papel de ”Organizador” deve ser minimizado devendo assim prevalecer o papel de ”Abastecedor”.

    Outro grande fator com enorme peso para a redução na obesidade infantil é a necessidade de termos crianças mais ativas. Pois existe um enorme desequilíbrio energético entre a quantidade calórica ingerida por dia e a quantidade requerida para suportar o crescimento normal.

    Para que as nossas crianças possam ser fisicamente mais ativas precisamos de criar, hoje, ambientes mais saudáveis, que incentivem a prática de uma alimentação saudável e aumentem a atividade física tanto nas escolas como em casa.

    Por exemplo , um queques simples pode conter cerca de 200 calorias, +/- 9 gramas de gordura, o que significa que ter-se-ia de andar mais de meia hora para gastar esta energia toda.

    Existem sim, claro, algumas medidas que a longo prazo podem vir a fazer a diferença nas nossas crianças de hoje em dia, tais como:

    – o aumento do número de aulas de Educação Física nas escolas;
    – a diminuição em casa do tempo dispensado a ver televisão, jogar jogos on-line e computadores;
    – nas escolas recuperarem os jogos tradicionais como por exemplo: o jogo da macaco, o jogo do lenço, saltar a corda, jogar a bola e a apanhada, etc…

    Curso: Educação Infantil
    Nome: Andreia Martins
    N° de utilizador: EL6945R

  3. É considerado obesidade infantil quando o peso da criança é super a idade e altura da criança.
    A obesidade e influênciada pelo factor genético, a alimentação incorrecta, a falta de actividade física, a falta de sono ou o excesso e também o peso com que os bebés nascem. Muitas vezes os bebés nascem com peso acima do normal para um recém nascido, e quando não o perdem mais tarde acabam por ter de fazer uma dieta.
    A obesidade pode ser tratada mas envolve uma mudança no estilo de vida ou seja uma dieta saudável, criar uma rotina com exercício físico, descansar o suficiente para um bom funcionamento do metabolismo, beber água também é muito importante.
    Evitando assim doenças como o colesterol, a diabetes, as depressões, etc…

  4. EL7072S curso educação infantil

    A obesidade pode defenir-se como o aumento do depósito de gordura corporal na sequência do desequilibrio entre o excesso de igestao de alimentos e o seu gosto energético(ou seja comem mais do que gastam nas actividades).
    Isto é o resultado de novos hábitos alimentares e do aumento do sedentarismo(diminuição das brincadeiras ao ar livre).A obesidade e a expressão máxima do excesso de peso.
    Agora temos que ter cuidado com a alimentação da crianças para nao terem esse tipo de doenças.

  5. EL7165S
    As crianças nunca devem ser colocadas em dietas rígidas para perderem peso, a não ser por razões médicas com acompanhamento médico. Limitar o que as crianças comem pode ser extremamente prejudicial para a sua saúde e interferir com o crescimento e desenvolvimento.
    Para promover um crescimento sustentado e prevenir a obesidade, os pais devem ter cuidados nutricionais e fornecer uma variedade de alimentos de todos os grupos alimentares, como respeito pela pirâmide alimentar.
    A pirâmide alimentar ilustra a importância de uma alimentação equilibrada entre os grupos de alimentos em padrões diários. Os pais devem estar sempre a acompanhar a alimentação e tentar com que as crianças se sintam bem, pois chega a uma altura as crianças se revoltam por serem gozadas nas escolas, e o papel dos pais é darem força para que a criança tenha mais cuidado com a alimentação e que não va abaixo e que goste de si mesmo.

  6. A Obesidade e uma doenca do seculo 21, pois nos ultimos tempos verificam- se em todas as faxas etarias e em quase todas as camadas sociais,
    o factor obesidade resulta do facto dos alimentos que se consumem serem geneticamente modificados , ( tem mais produto quimicos que organicos), isto prejudica de certa forma a saude .
    falar da obesidade nas criancas, pode ser um pounco complicado ,pois estas sao depedentes dos adultos.
    Havendo campanhas de sensibilizacao aos pais e encaregados de educacao, nas comunidades, escolas hospitais etc. pode sim ajudar a mudar o estilo de vida.
    procurando alimentos organicos ,fazendo hortas caseiras por exemplo, seria uma alternativa para se evitar comsumo de 100 por cento produtos quimicos.,insentivar desde crianca a pratica de desporto , limitar o tempo de ver a telivisao, limitar tambelm o tempo de usar os telephones , ipads ect epromover jogos que possam manter a crianca sempre em movimento tanto na escola como em casa.

  7. Obesidade infantil é uma condição em que o excesso de gordura corporal afeta negativamente a saúde ou bem-estar de uma criança. Como métodos para determinar a gordura corporal diretamente são difíceis, o diagnóstico da obesidade é muitas vezes baseada no índice de massa corporal (IMC). Devido ao aumento da prevalência da obesidade em crianças e seus muitos efeitos adversos à saúde, a obesidade infantil está sendo reconhecida como um grave problema de saúde pública.[1] O termo sobrepeso ao invés de obesidade é muitas vezes usado em crianças, pois é menos estigmatizante.[2]

    A obesidade infantil é caracterizada pelo excesso de peso entre bebês e crianças de até 12 anos de idade. A criança é identificada como obesa quando seu peso corporal ultrapassa em 15% o peso médio correspondente a sua idade.

    Obesidade infantil é uma epidemia global.
    A obesidade infantil é, segundo a Organização Mundial de Saúde, um dos problemas de saúde pública mais graves do século XXI, sobretudo nos chamados países em desenvolvimento.Em 2010, havia 42 milhões de crianças com sobrepeso em todo o mundo, das quais 35 milhões viviam em países em desenvolvimento.[3]

    A obesidade está relacionada a uma série de fatores como hábitos alimentares e atividade física, além de fatores biológicos, comportamentais e psicológicos. Não se trata de um problema meramente estético. Além de frequentemente sofrerem “bullying” por parte dos colegas, adultos obesos tendem a ter filhos obesos e também com sérios problemas de saúde, como diabetes, doenças cardíacas e a má formação do esqueleto. O sobrepeso e a obesidade são o quinto fator principal de risco de disfunção no mundo. A cada ano, pelo menos 2,8 milhões de pessoas adultas morrem em consequência do sobrepeso ou da obesidade. 44% dos casos de diabetes, 23% dos casos de cardiopatias isquêmicas e de 7% a 41% dos casos de alguns tipos de câncer são atribuíveis ao sobrepeso e à obesidade.[4]

    A Organização Mundial de Saúde entende que a obesidade se tornou uma epidemia.[5]

  8. Aluna : Inês Machado
    Curso : Educação Infantil
    Número de utilizador : EL7679T

    Forúm da Unidade 2 – A obesidade infantil

    O maior fator que tem provocado um aumento da obesidade das crianças é a falta da prática de atividades físicas durante a idade escolar. O sedentarismo é um problema sério, associado ao modo de vida que as famílias levam hoje em dia. Normalmente, os pais trabalham muito e a criança acaba a passar maior parte do seu tempo livre que tem, em casa em frente à televisão ou ao computador.

    Embora o sedentarismo seja uma das principais causas que levam à obesidade infantil, este fator não está sozinho, a genética também é importante. Muitas vezes, a criança tem uma tendência maior para ganhar peso, pela sua hereditariedade. Isso não significa que, necessariamente, se os pais obesos tiverem um filho, ele terá o mesmo problema, mas as chances provavelmente são maiores. Pais de peso normal, podem ter um filho obeso, e vise versa.

    A alimentação inadequada e nada saudável é outro ponto importante e que é um importante da obesidade infantil. Muitas crianças estão com excesso de alimentos industrializados no cardápio e fazem do fast food uma rotina, normalmente, por hábitos repassados pelos próprios pais. O que acontece é que são alimentos ricos em calorias, gorduras, açúcares, sódio e pobres em nutrientes, de modo que além de colaborarem com a obesidade infantil, ainda provocam outros problemas de saúde, como diabetes e colesterol, por exemplo.

    Estresse, ansiedade, depressão e outros problemas de ordem psicológica também favorecem a obesidade. A criança pode ter dificuldades para trabalhar com certos sentimentos e acaba por se abstrair na comida.

    Entre as consequências da obesidade infantil, podemos destacar:

    • Doença cardíaca precoce;
    • Hipertensão arterial;
    • Depressão;
    • Distúrbios do sono;
    • Baixa autoestima;
    • Colesterol alto;
    • Problemas comportamentais;
    • Esteatose hepática;
    • Doenças respiratórias.

    • Medicamentos
    No caso das crianças e adolescentes, não é muito comum o uso de medicamentos para tratar a obesidade, no entanto, eles representam uma opção. São mais utilizados quando o quadro já está mais avançado e quando a criança acabou por adquirir doenças decorrentes do excesso de peso.

    • Atividades físicas
    Provavelmente o médico vai recomendar que a criança comece a praticar alguma atividade física regularmente, a menos que exista alguma situação muito extrema que a impeça disso. Além de ajudar na perda de peso, os exercícios contribuem com a socialização, fortalecem os ossos e músculos e melhoram o sono.

    • Alimentação
    Os pais precisam de adaptar uma rotina de família a uma alimentação mais saudável, investindo em frutas, verduras e legumes; evitando alimentos industrializados; o nao consumo de refrigerantes; limitando o máximo possível as “guloseimas”; comer porções adequadas nas refeições, considerando que a criança deve comer menos do que o adulto; reduzindo o hábito de ir comer em restaurantes e cafés e dando o exemplo, obviamente.

    Prevenir a obesidade é sempre melhor do que ter que lutar contra ela!!!!!!!!!!!

  9. A obesidade é de facto algo alarmante, pois cada vez existem mais casos de crianças obesas. Mas tudo começa em casa, a forma como a família de alimenta, ou a pratica regular de exercício físico, tudo isto são bases para as crianças. Claro que, a escola também é essencial, visto passarem la a maior parte do dia. Precisamos de incentivar mais as nossas crianças a comer melhor e estar em constante movimento. Irem para a rua brincar os amigos, fazerem actividades onde possam libertar toda a adrenalina. Devemos evitar que elas passem muito tempo a ver TV ou no computador. São crianças precisam de viver!

    Cátia Cancelinha
    Educação Infantil
    EL7393S

  10. Erika costa Curso Puericultura EL6139P
    Obesidade infantil para mim é um um grande desafio pois cada dia temos tudo pronto industrializado ,sem tempo comendo mal ,rápido pois temos ehn coisa a fazer ,mais isso traz para as criança um mal beneficio para nossa criança .
    Pois bem vou dizer um pouco da minha vida ,nesse assunto :Tenho um filho de 7 anos ,trabalho estudo ,sou imigrante ,tenho coisa há tratar no meu pais mãe ,sou esposa ,dona de casa ,faço compra ,vou a reunião do meu filho ,faço actividade física ,meu filho faz duas vezes por semana na escola actividade física ,e três fora da escola,cozinho todos os dias ,fazemos 5 refeições ,finais de semana saímos para brincamos com ele no parque ,praias ,tudo que se possa fazer ao ar livre e fácil fazer isso tudo digo NÃO ,mais tendo gerir minha vida e horários e adiantar tudo o máximo possível para poder termos uma vida e uma saúde equilibrada .Penso que a obesidade infantil esta muito ligada com o Comodismo da família ,pois uma criança tem que ser incentivada ,pois esta aprendendo o que e bom .
    Na escola do meu filho a Professora incentiva eles a levar fruta para o lanche da manhã dando pontos e presentiando no final de cada mês ,para mim e uma bom incentivo .

  11. A obesidade infantil está realmente a tornar-se um problema de saúde grave em Portugal e não só. Penso que a maior parte das pessoas ainda não estão devidamente informadas e sensibilizadas para as consequências graves, a nível físico e psicológico, da obesidade infantil.
    É verdade que hoje em dia a falta de tempo , o stress do dia a dia, as correrias diárias, fazem com que os hábitos alimentares das pessoas mudem. Na hora de escolher os alimentos no supermercado pessoas têm tendência a escolher o que for mais rápido de se fazer, como os congelados, comida enlatada ,pré-cozinhada , fast food, etc. Mas não pensam nas consequências que isso irá ter ,no futuro ,na sua saúde. A saúde é o mais importante, é nisso que as pessoas se deviam concentrar. Mudar hábitos alimentares e a prática de exercício físico é imprescindível para as pessoas se sentirem melhores no seu dia a dia e traz muitos mais benefícios do que as pessoas julgam.
    É importante que estes hábitos se adquiram em pequenos e os pais têm um papel fundamental , estes devem garantir conforto, amor, atenção, mas também disciplina no que se refere em dar uma alimentação correcta aos seus filhos para que estes se possam tornar adultos saudáveis e passem esses mesmos hábitos bons aos seus filhos um dia mais tarde.
    Os pais não devem tentar poupar tempo na hora de cozinhar como também deviam passar mais tempo com os seus filhos em vez de lhes darem para a mão um telemóvel ou um computador. Incentivar as crianças a se mexerem, irem a parques, andar de bicicleta..tantas coisas que são bem mais saudáveis e ajudam a combater a obesidade.
    Raquel Monteiro, Puericultura, EL6786R

  12. Sim a obesidade infantil é um dos grandes problemas de saúde em Portugal.
    Hoje em dia existe tanta escolha no que respeita a alimentação, tanta comida pré feita, que na sociedade em que vivemos torna-se mais fácil escolher esse tipo de alimentação, ou porque não se tem tempo ou porque é mais barato.
    Mas a educação começa de pequeno e em casa, como a médica da minha filha me disse,não é uma criança de 3anos que vai ao supermercado fazer as compras, por isso cabe aos pais ensinar a comer bem, a incentivar a criança a escolher uma fruta em vez de um bolo, ou uma sopa em vez de uma hambúrguer…
    quem sofre com as más escolhas são as crianças que ficam com problemas de saúde, problemas sociais, pois na escola acaba por ser “xingado” por os colegas, e de problemas a nível intelectual.
    Quando a criança não se sente bem com o seu peso começa a afastar-se, a não tentar participar nas actividades físicas na escola pois sabe que vai ser difícil para ela.
    Se todos os pais/educadores das crianças participarem na ajuda contra a obesidade seremos todos mais felizes.

  13. Fórum 2- obesidade infantil
    A obesidade infantil é um problema muito sério para a saúde das crianças é caracterizada pelo excesso de peso entre bebés e crianças de até 12 anos de idade, segundo a Organização Mundial de Saúde é um dos problemas mais graves do século XXI sobretudo nos países em desenvolvimento.
    Todas as crianças deveriam ser bem nutridos, fisicamente ativas e saudáveis contudo a realidade actual é muito diferente.
    A obesidade infantil está associada ao desenvolvimento de outras doenças graves como, doenças cardiovasculares, hipertensão, diabetes, asma,vários tipos de cancro entre outros.
    Não bastando todos os problemas de saúde ainda enfrentam problemas psicológicos e sociais, são crianças que estão mais sujeitas ao bullying e descriminação.
    Como mãe tento mostrar ao meu filho todos todos os tipos de frutas e vegetais fazer coisas variadas para uma boa nutrição. Mas também durante o mês uma vez pelo menos temos as batatas fritas um hambúrguer, porque sou da opinião que são alimentos que também devem conhecer para depois não despertar um interesse ainda maior sobre eles. No infantário do meu filho também fazem assim uma vez por mês os pais que não concordam podem levar a comida de casa. Mas acho que é uma boa maneira porque fasso o mesmo em casa.

  14. Mónica Vieira
    Curso de puericultura EL6714R
    A obesidade infantil neste momento é um tema preocupante, pois cada vez existem mais crianças acima do peso indicado para a sua idade.
    Muitas das vezes os grandes culpados serao os pais ou os cuidadores da criança. Muitas crianças comem tudo aquilo que nao precisavam de comer, coisas essas que sao dadas pelos pais. Comem comidas com sal com muitos açúcares quando na realidade uma criança nao precisa de nada disso.
    Devemos promover uma boa alimentação e uma prática de actividade física, nao deixando as crianças estar demasiado tempo em frente aos computadores e televisões.
    Temos que lutar para que as práticas mudem para que mais tarde nao sejam adultos com problemas e graves doenças

  15. Boa Tarde!
    Ótimo resumo, ao lê-lo, fiquei mais desperta. Não tinha noção que a obesidade infantil se manifestava tão cedo como no caso de crianças com menos de três anos. Para tudo tem que haver equilíbrio e esforço, principalmente na Obesidade Infantil que traz consequências graves, nomeadamente, as doenças. É um alerta, não só para os pais como para a sociedade em geral. Um exemplo, são os países mais desenvolvidos, que cada vez mais promovem restaurantes de Fast Food e que “muitos de nós” apreciamos, principalmente as crianças, o que também pode contribuir para problemas de obesidade. Não estou criticando os restaurantes Fast Food, até porque mesmo neles, encontram-se alimentações saudáveis. Cabe à pessoa escolher que alimentação deve fazer. Relativamente às crianças, cabe aos pais tomar essa decisão, pois certamente, os filhos viverão melhor e saudáveis se seguirem um bom exemplo (quer da alimentação…) vindo da parte do adulto. Neste caso, a alimentação saudável segue de alimentos variados e que contenham a composição necessária (cálcio, ferro, fósforo…) para o seu bem-estar.
    Claro, que até mesmo os alimentos saudáveis trazem problemas, quando são tomados em excesso, daí existir o equilíbrio. Unindo a uma alimentação saudável, existe o exercício físico que é muito importante e útil para qualquer Ser Humano.

  16. É bem verdade que a obesidade é um dos fatores de risco mais graves na nossa sociedade, mas o que é certo é que obesidade pode ter doenças associadas à mesma que pode levar a esta doença. Mas quando não é, é evidente que a culpa é dos educadores (pais, professores, etc…) pois visto que as crianças não agem por si só, cabe nos a nós educar essa alimentação , se porventura não conseguirmos pediremos, como recurso, ajuda a profissionais dessa área pois a saúde dos nossos filhos é o mais importante.
    Se nós pais tivermos o bom plano alimentar para os nossos filhos certamente que estes não terão sobrepeso , mas eu sei que muitas vezes é difícil negar-lhes comida, contudo existe regras na alimentação e têm de ser cumpridas para não colocar em risco a saúde dos nossos filhos!

    Anabela Rocha, Educação Infantil , EL6729R

  17. Estudo recente mostra que a obesidade infantil pode desencadear o diabetes tipo 2 em crianças e adolescentes, doença que antes era diagnosticada apenas em adultos a partir da meia idade e associada ao excesso de peso e à vida sedentária.
    Diversos fatores podem causar obesidade infantil. Entre as mais comuns estão fatores genéticos, má alimentação, sedentarismo ou uma combinação desses fatores. Além disso, a obesidade em crianças também pode ser decorrente de alguma condição médica, como doenças hormonais ou uso de medicamentos a base de corticoides.
    Apesar de ser uma doença com influência genética, nem todos os pais e mães com obesidade também terão filhos com o problema, assim como pais e mães dentro do peso podem gerar filhos com obesidade. Isso porque a obesidade infantil também tem ligação com os hábitos alimentares da criança e da família, bem como a realização de atividades físicas.
    Dessa forma, a alimentação da criança a quantidade de exercício que ela pratica são fatores determinantes para o aparecimento da obesidade infantil, ainda que exista histórico familiar do problema. Fica atento a esses hábitos pode ajudar a prevenir a doença pela vida toda.

  18. A obesidade infantil é um problema do século XXI. Uma criança obesa está em risco de vir a sofrer de sérios problemas de saúde durante a sua adolescência e na idade adulta, tem maior probabilidade de desenvolver doenças cardiovasculares, hipertensão, diabetes, doenças de fígado, apneia do sono e vários tipos de cancro. De acordo com a organização mundial de saúde, a obesidade é a segunda principal causa de morte no mundo, que se pode prevenir! As crianças obesas enfrentam graves problemas sociais e psicológicos e estão mais sujeitos a ataque de bulling e outros tipos de descriminação. Um dos apoios mais importantes que podemos dar a estas crianças é comunicar-lhes que para nós está tudo bem e que as amamos, independentemente do seu peso. Os sentimentos das crianças sobre si próprias baseiam-se muitas vezes nos sentimentos dos próprios pais sobre elas. Se aceitarmos as crianças assim elas irão sentir-me muito melhor. É importante falar sobre a obesidade e permitir às crianças partilhar as suas preocupações. Por estas razões as crianças obesas necessitam de suporte, aceitação e encorajamento dos seus pais.

    Cristina Marvanejo, Educação infantil.

  19. É urgente travar esta doença. No mundo,155 milhões de crianças em idade escolar têm excesso de peso ou são obesas. É urgente alertar, sensibilizar os pais para a alimentação e atividades dos seus filhos. Com as novas tecnologias, os tempos livres das crianças são passados a jogar com tablets, smartphones, computadores,etc . Mais de metade das crianças vão de carro para a escola, não participam em atividades extracurriculares que envolvam atividade fisica.
    Estas crianças estão mais sujeitas a ataques de bullying e outros tipos de discriminação. O que poderá provocar consequências directas na sua auto-estima e a quebra no seu rendimento escolar. Se não receberem apoio especializado poderão sofrer ainda de depressão ou outras doenças do foro psicológico quando atingirem a idade adulta.
    É importante dar a conhecer a APCOI – Associação Portuguesa Contra a Obesidade Infantil, uma organização não governamental, sem fins lucrativos, fundada por uma comunidade de voluntários que se mobiliza em torno da responsabilidade de transmitir hábitos e estilos de vida mais saudáveis às crianças, especialmente daquelas com excesso de peso.

    (Este pequeno video ilustra bem este grave problema)

  20. Posso começar por dizer que a obesidade infantil , é um dilema com que nos deparamos neste século a nível mundial e tem vindo a aumentar de maneira alarmante.
    A obesidade infantil é o excesso de gordura que poe em risco a saúde de quem a tem , provoca danos terríveis , morte prematura, doenças , com o diabetes , vários tipos de cancro e além de tudo a autoestima da criança fica reduzida a zero.
    Como profissional e mãe , todo o cuidado é pouco , ou seja temos que ter cuidados extremos com a alimentação (equilibrada), as crianças tem de fazer bastante exercício físico , correr , saltar jogar , devemos incentiva-las a fazer um desporto . Se os pais puderem acompanhar os filhos ao final do dia em passeios , jogos pelo parque ajuda imenso, reduzir ao máximo o uso de aparelhos eletrónicos e tv.

    Educar com qualidade e responsabilidade, é um trabalho árduo , mas compensa, pois as crianças dependem de nós adultos, educadores, papás…. para aprenderem a tomar decisões responsáveis , que os ajudarão no futuro.

  21. Encerramento do Fórum.
    Caros alunos e alunas,
    Gostei muito das vossas participações no Fórum/Blog deste mês.
    Os vossos comentários, foram muito enriquecedores, ponderados e devidamente fundamentados, especiais, cada um em particular.
    Apresentaram exemplos, críticas, e opiniões pertinentes. Mostram o vosso interesse e conhecimento sobre o tema apresentado.
    Todos cumpriram os objetivos propostos de refletir sobre esta temática.
    Gostaria de relembrar que o fórum está aberto à participação dos alunos, não só nos comentários, como também na elaboração de artigos ou escolha de temas. Fico a aguardar a vossa contribuição. Se estiverem interessados podem enviar-me um email com o texto que gostariam de ver publicado.

  22. Uma criança obesa está em risco de vir a sofrer de sérios problemas de saúde durante a sua adolescência e na idade adulta. Tem maior probabilidade de desenvolver doenças cardiovasculares, hipertensão, diabetes, asma, doenças do fígado, apneia do sono e vários tipos de cancro. De acordo com a Organização Mundial de Saúde, a obesidade é a segunda principal causa de morte no mundo que se pode prevenir, a seguir ao tabaco.
    Estão mais sujeitas a ataques de bullying e outros tipos de discriminação. O que poderá provocar consequências directas na sua auto-estima e a quebra no seu rendimento escolar. Se não receberem apoio especializado poderão sofrer ainda de depressão ou outras doenças do foro psicológico quando atingirem a idade adulta.
    Puericultura EL6352P

  23. Boa tarde,

    Atualmente, o numero de crianças obesas tem vindo a aumentar cada vez mais.
    Este problema de obesidade infantil, esta associado muitas vezes ao estilo de vida da criança, a uma ma alimentação e a falta de exercício físico.
    Perante tal situação muitas vezes os pais são os maiores culpados, pois permitem que a alimentação seja maioritariamente fast-food e não incentivam os filhos a praticar qualquer atividade, pois acham que estar em casa a ver televisão ou a jogar no computador e mais seguro.
    O problema da obesidade infantil, poderá futuramente acarretar bastantes problemas de saúde, tais como a diabetes, hipertensão arterial, colesterol alto, problemas cardiovasculares e ate uma morte prematura.
    A obesidade e calculada através das medidas da massa corporal e a altura da criança.
    Muitas crianças que sofrem deste problema, acabam por se isolar, devido ao gozo e descriminação que sofrem no seu dia a dia, acabam por sofrer depressões e ter problemas de auto-estima.
    Em suma, os pais devem ter maior cuidado na alimentação dos filhos, optando sempre por comida saudável e dentro das medidas necessárias aos seus gastos energéticos diários. O desporto deve estar sempre presente , pois uma vida sedentária poderá trazer consequências bem graves, e as crianças não tem noção disso.
    Tânia Rodrigues
    curso puericultora
    EL6947R

  24. Um estudo feito pela APCOI divulgado em setembro deste ano alerta para o grande número de crianças com excesso de peso em Portugal, que são: 28.5% das crianças entre os 2 e os 10 anos estão com excesso de peso e 12.7% estão obesas.
    Eu associo a obesidade infantil à muitos fatores (mudanças na sociedade, mudanças na alimentação, sedentarismo…entre outros mais) ,mas penso que a vida das nossas crianças também é um espelho das nossas vidas, a vida dos pais delas.Eu tenho dois filhos pequenos e zelo diariamente pela saúde deles, a educação seja ela do nível que for passa primeiro em casa com a família.Nós os pais é que sabemos o que é melhor para os nossos filhos e na educação alimentar tem de ser do mesmo jeito.Ás vezes me custa dizer não aos meus filhos quando me pedem doces, fast food…mas nós os pais temos de ter disciplina com nossos filhos pois o futuro deles dependem das nossas ações agora.Para não falar dos problemas graves de saúde que podem contrair.Não é tarefa fácil, mas é uma responsabilidade dos pais garantir uma vida saudável para os seus filhos, temos de ser firmes desde quando eles são pequeninos.Sei que a vida é muito corrida, mas temos de nos esforçar e não desanimar.Pois se cada família começar a mudança em casa tenho a certeza que coisas boas passam a acontecer.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s